Mudar as regras do jogo durante a partida não é inteligente

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Mesmo com vários anos de experiência, envolvimento com programas relacionados a parcerias e certificações, falar sobre Apple é algo delicado. Esta é uma das poucas empresas que consegue reverter um resultado da noite para o dia. Ser imparcial, é difícil.

Em junho deste ano participei da WWDC 2014 – um evento promovido pela Apple aos desenvolvedores da sua plataforma – na oportunidade tive o prazer de conhecer pessoalmente vários colegas brasileiros e alguns ícones internacionais. Evento impecável na organização, afinal lidar com mais de 6 mil pessoas em um único espaço não é tarefa fácil, ainda mais quando se tem a obrigação de fazer com que todos se sintam especiais – convenhamos, US$ 1.500 não é nada barato. A Samsung marcou seu evento para desenvolvedores na mesma data da WWDC e apenas alguns metros do Moscone. Engenheiros da Samsung e Intel participaram, diversos brindes distribuidos, alimentação completa e a distribuição de um Gear 2 a todos os presentes com um custo de apenas US$ 45 de inscrição (e com desconto, ainda por cima).

Voltando à WWDC, muitos desenvolvedores foram surpreendidos com uma nova linguagem de programação, até então totalmente desconhecida, e comemoraram como se fosse um gol do seu time de coração. Entretanto, analisando com um pouco mais de calma, percebemos que a Apple havia acabado de jogar no lixo todo um mercado e conhecimento formado em torno da Objective-C – a terceira linguagem mais popular conforme o ranking de junho da Tiobe. Desenvolvedores seniors foram rebaixados a estagiários de Swift com a justificativa de que a Objective-C era ultrapassada para as novas tecnologias. Até aí concordo, a criação e surgimento de uma nova linguagem era inevitável para se alcançar benefícios a médios e longos prazos, mas a forma com que foi anunciada foi péssima para o cenário de questionamentos que rondam a empresa.

O pilar central sustentado pela Apple aos desenvolvedores foi de que as duas linguagens permaneceriam e seriam complementares. Será? Prestar suporte e manutenção simultânea é algo trabalhoso, sem falar na “gambiarra” que existirá por trás no sistema para que elas continuem coexistindo. Tudo o que foi apresentado ainda é muito superficial para defendermos com unhas e dentes.

Dizer que, com a morte de Steve Jobs a Apple perdeu sua criatividade e força de inovação, ainda é muito precipitado. Se voltarmos um pouco no tempo, antes do lançamento do iPad, o mercado também cobrava algo inovador da Apple e – mesmo com o anúncio “atrasado” – tudo caiu no esquecimento. Entretanto é nítido como os traços do CEO Tim Cook começam a sobrepor a cultura da empresa formatada e liderada por Jobs. Se isso é bom ou ruim, só o tempo vai nos contar. Continuar dizendo à imprensa de que nada mudou é algo infantil por parte da Apple – forças de negociação, mudança na cadeia de valor e inovação em produtos será a verdadeira forma de botar um ponto final nesta história e mostrar ao mundo que a empresa ainda representa esse imenso grupo de loucos e desajustados que pensam diferente.

Publicado em: Revista +macmais [edição 98]

Conteúdos recentes

Sua empresa será hackeada em breve

Catástrofes climáticas, epidemias, iminência de guerra. A humanidade sempre conviveu com estes problemas, a diferença é que nunca estivemos tão conectados. Somos impactados por acontecimentos globais que influenciam nossos negócios e, consequentemente, nossas vidas.

ler mais

Como alcancei 2K seguidores no Instagram

Não sou dono da verdade e quero morrer como um eterno aprendiz. Entretanto 25 anos de trabalho voltados à computação e edução, me possibilitam ter um olhar mais apurado com relação aos assuntos que envolvem tecnologia e pessoas.

ler mais

Mudar as regras do jogo durante a partida não é inteligente

por Renato Ribeiro Tempo para ler: 3 min
Share This