Aterrissamos no Vale do Silício (parte 3)

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Dia 22/10 – quarta-feira

Embora os alunos tivessem curso de inglês todos os dias pelas manhãs, neste dia incluímos uma programação surpresa e especial. Acordamos bem cedo, tomamos café no refeitório da universidade e partimos para San Francisco a fim de participar da primeira conferência para desenvolvedores promovida pelo Twitter.

Na ocasião encontramos um amigo brasileiro (o Luis Cipriani) que trabalha como engenheiro e evangelista há quase dois anos no Twitter. Muito animado com os novos lançamentos da empresa, Cipriani comentou: “Para a empresa é um passo importante pois todos veem o Twitter e os produtos da plataforma sempre focados na rede social, agora a empresa começou a lançar uma série de produtos voltados para o desenvolvimento de apps de qualidade, apoiando o desenvolvedor com ferramentas para a construção e o crescimento do seu projeto.”

Para nós, que estivemos presentes, foi um prazer enorme vivenciar toda a experiência proporcionada pelo Twitter. Embora fosse o seu primeiro evento do gênero, não ficou atrás se comparado aos grandes eventos como a WWDC e o Google I/O. O evento teve uma programação que se estendeu ao longo do dia e terminou com um super happy hour para os participantes, com direito a uma segunda festa após — esta restrita aos funcionários. Caso queira, confira aqui os detalhes mais técnicos do evento.

Dia 23/10 – quinta-feira

Neste dia os alunos retomaram as atividades de inglês promovida pela universidade e iniciaram a tarde vivenciando uma experiência um tanto quanto inusitada para o que estavam acostumados durante o curso. Assim que terminaram a aula de inglês, demos apenas 30 minutos para se arrumarem, comerem algum lanche rápido e estarem prontos; de novo, seguimos rumo a San Francisco.

O fato é que tínhamos uma reunião agendada estrategicamente após o almoço e precisávamos de no mínimo uma hora para o deslocamento até o local. Para quem estava vivendo uma vida confortável, retomamos a agitação e a correria de reuniões típicas do dia-a-dia de empreendedores.

A primeira visita agendada foi na Apex-Brasil (agência brasileira de promoção de exportações e investimentos), uma empresa que inicialmente surgiu como um braço do Sebrae e que hoje participa de ações pontuais do governo brasileiro, apoiando negociações comerciais entre empresas brasileiras e de outros países.

Com uma recepção “abrasileirada” promovida pela querida Fernanda Baker (gerente local do escritório da Apex em San Francisco), preparamos um café na cozinha do escritório da RocketSpace, considerado o maior espaço de coworking especializado em empresas de tecnologia que estão no Vale. Em seguida, fomos discutir — com o apoio e a participação da Fernanda — sobre oportunidades e negócios de forma pontual a respeito de cada projeto em desenvolvimento pelos alunos durante o curso de imersão.

Para finalizar o dia, fomos até um dos principais escritórios do Google na cidade de San Francisco. Lá, tomamos algumas cervejas enquanto apreciávamos a belíssima vista da Bay Bridge e “brincávamos” com o Google Glass. Sobre os óculos, duas funções me chamaram a atenção; a primeira é a possibilidade de traçar rotas a partir do comando de voz, o que facilita muito para quem está dirigindo; a segunda é a possibilidade de traduzir imagens que estão sendo capturadas por ele de forma instantânea.

Embora legal, acredito que ainda não justifica o custo de US$1.500 com relação aos benefícios. O que impressiona é a capacidade do software em substituir a letra/fonte do que está sendo traduzido — confira uma demonstração:

Publicado em: https://macmagazine.uol.com.br/post/2014/12/12/appreendedor-aterrissamos-no-vale-do-silicio-parte-3/

Conteúdos recentes

Sua empresa será hackeada em breve

Catástrofes climáticas, epidemias, iminência de guerra. A humanidade sempre conviveu com estes problemas, a diferença é que nunca estivemos tão conectados. Somos impactados por acontecimentos globais que influenciam nossos negócios e, consequentemente, nossas vidas.

ler mais

Como alcancei 2K seguidores no Instagram

Não sou dono da verdade e quero morrer como um eterno aprendiz. Entretanto 25 anos de trabalho voltados à computação e edução, me possibilitam ter um olhar mais apurado com relação aos assuntos que envolvem tecnologia e pessoas.

ler mais

Aterrissamos no Vale do Silício (parte 3)

por Renato Ribeiro Tempo para ler: 3 min
Share This