Aterrissamos no Vale do Silício (parte 5)

sexta-feira, 09 de janeiro de 2015

Dia 29/10 – quarta-feira

Seguindo o costume de aulas de inglês pelas manhãs, os alunos do Appreendedor — demonstrando o carisma e a alegria do povo brasileiro — se destacaram perante a turma (em grande parte formada por asiáticos, alguns árabes e também latinos). Neste dia, os alunos tiveram a tarde livre para trabalharem em seus projetos e realizarem pesquisas no campus da universidade. Pela noite, partimos rumo ao escritório da Rackspace, em San Francisco, para participarmos de um evento promovido em parceria com a Universidade de San Francisco envolvendo palestras sobre empreendedorismo e inovação. Na oportunidade, os alunos puderam praticar networking e interagirem de forma natural e espontânea com outros participantes, além de trocarem experiências criando oportunidades em seus negócios e área de atuação.

Uma das coisas que me chamou atenção na organização do evento foi o fato de servirem um primeiro coffee break ao estilo happy hour logo no início. Desta forma, os participantes puderam se conhecer, trocar cartões e interagirem com os palestrantes, gerando oportunidade para que os atrasados não perdessem o conteúdo das palestras.

Após o evento, fomos para o centro da cidade comemorarmos o título de campeão da liga de beisebol dos Giants, time local e querido por 99% dos moradores da região. Uma festa de rua regada a muita cerveja e maconha — embora não seja permitido o consumo destes itens em locais públicos, a polícia fazia vista grossa diante da quantidade de torcedores que festejavam no local.

Bebida alcóolica e maconha na Califórnia são dois assuntos muito abordados por turistas e curiosos. Lá a venda de bebidas alcoólicas é limitada a maiores de 21 anos e o consumo não pode ser em locais públicos (ruas, parques, praias) – preferencialmente transporte bebidas cobrindo o rótulo. Já a maconha é liberada para uso medicinal através de consulta médica e pode ser adquirida em lojas especializadas e consumida em locais públicos – desde que munido de atestado médico.

Dia 30/10 – quinta-feira

Vésperas de Halloween, os alunos fizeram planos e atividades durante as aulas de inglês envolvendo o tema. De tarde, discutimos sobre processos de inovação e a utilização de design thinking para o desenvolvimento de produtos e serviços. Para fechar com chave de ouro as visitas técnicas que tivemos durante as duas semanas de curso, escolhemos a empresa Evernote.

Particularmente tenho uma paixão pelos produtos, serviços e pessoas que trabalham no Evernote, um local em que fiz grandes amigos a partir da primeira hackathon promovida pela empresa dentro da sua sede na cidade de Redwood City, em junho de 2013. Em conjunto a uma equipe maravilhosa, fomos um dos vencedores do evento. Isso me levou a desenvolver o protótipo de um hardware chamado RaspiNote, integrando serviços de rede (como arquivos, impressão, webdav) e sincronizando a informação com a nuvem do Evernote.

Durante visita à empresa, tivemos reunião com Gretel Perera (gerente de relações públicas para a América Latina) e Luis Samra (gerente geral para a América Latina). Na ocasião, Samra relatou o quão importante é o mercado brasileiro para a empresa e as oportunidades no Vale do Silício – assunto para um próximo artigo que será publicado por mim no portal Startupi.

31/10 – sexta-feira

Último dia de inglês, já em clima de despedida, os alunos iniciaram o dia vestindo suas fantasias de Halloween – destaque para Robin e Mulher Maravilha que começaram suas aventuras na noite anterior atormentando casais de namorados que estavam estacionados no pátio da universidade. 😛

Com a tarde livre, demos um “rolezinho” na Apple e no Google — claro, todos a caráter, arrancando olhares de empregados das empresas. De noite terminamos o curso na última atividade agendada, uma festa de Halloween no California’s Great America, um dos maiores parques de diversão do mundo. Em atrações que desafiavam os limites e tiravam todos da zona de conforto, em um dos “brinquedos” ouvi gritos ecoados por todos os alunos: “O Appreendedor foi f***!” Como uma liga da justiça (Adauto Menezes, Alexandre Loiola, Artur Sousa, Cassandra Poulin, Fabricio Ferreira, Juan Camilo, Maysa Manoela, Pedro Flávio e eu, Renato Ribeiro), terminamos o curso com a sensação de dever cumprido e fortes amizades criadas. Tenho certeza que ficará marcado na vida de todos esses dias incríveis e como eles mesmos pediram para serem chamados: “A turma número zero.”

Publicado em: https://macmagazine.uol.com.br/post/2015/01/09/appreendedor-aterrissamos-no-vale-do-silicio-parte-5/

Conteúdos recentes

Sua empresa será hackeada em breve

Catástrofes climáticas, epidemias, iminência de guerra. A humanidade sempre conviveu com estes problemas, a diferença é que nunca estivemos tão conectados. Somos impactados por acontecimentos globais que influenciam nossos negócios e, consequentemente, nossas vidas.

ler mais

Como alcancei 2K seguidores no Instagram

Não sou dono da verdade e quero morrer como um eterno aprendiz. Entretanto 25 anos de trabalho voltados à computação e edução, me possibilitam ter um olhar mais apurado com relação aos assuntos que envolvem tecnologia e pessoas.

ler mais

Aterrissamos no Vale do Silício (parte 5)

por Renato Ribeiro Tempo para ler: 4 min
Share This